domingo, 30 de maio de 2010

A MÍDIA E AS COTAS PARA NEGROS NAS UNIVERSIDADES


Frequentemente é abordado pela mídia o discurso sobre as cotas para negros nas universidades. Revistas e jornais também têm se ocupado deste tema. Levando em consideração as influências que estes meios têm sobre a sociedade brasileira, ditando formas de agir e pensar. Auxiliando na constituição da identidade.
Alguns discurso na mídia são extremamente semelhantes, isto é, apresentam o discurso sob uma ótica dos grupos dominantes da sociedade onde geralmente aparecem:
  • O DISCURSO DA DEMOCRACIA RACIAL
  • O DISCURSO DOS SABERES

O DISCURSO DA DEMOCRACIA RACIAL
 É quando se recorre ao pensador brasileiro, autor de "Casa Grande e Senzala", Gilberto Freyre e sua idéia de vivencia harmônica a partir da integração biológica e cultural do índio, do português e do negro africano que resultou no homem brasileiro. Neste aspecto, não se considera as diferenças e particularidades dos grupos sociais. Considerando-os iguais. Sob este aspecto o preconceito e discriminação não existem na sociedade brasileira. E todos têm as mesmas oportunidades.
 É o que acontece na reportagem da Revista Veja de 06/06/07, onde a questão das cotas para negro é considerada como,
As políticas raciais que se pretende implantar no país por força da lei têm potencial explosivo porque se assentam numa assertiva equivocada: a de que a sociedade brasileira é, em essência, racista. Nada mais falso
Ou ainda na fala da antropóloga Yvonne Maggie, da Universidade Federal do Rio de Janeiro,
A discriminação existe no dia-a dia e precisa ser combatida, mas, se ambas as leis entrarem em vigor, estaremos construindo legalmente um país dividido em raças, e isso é muito grave. Será como tentar apagar fogo com gasolina"
 De acordo com as citações as cotas é que representam uma ação discriminatória, equivocada, mas logo abaixo a antropóloga confirma que há preconceito é que se o negro não tem acesso a universidade e a cargos importantes, não é porque se tentou impedi, .
 O fato de existir um enorme contingente de negros pobres no Brasil resulta de circunstâncias históricas, não de uma predisposição dos brancos para impedir a ascensão social dos negros na sociedade.”

Após a abolição da escravatura, em 1888, nunca houve barreiras institucionais aos negros no país.”

E ainda “O mérito acadêmico fica em segundo plano

O DISCURSO DOS SABERES
Neste outro ponto comum as noticias e reportagem sobre as cotas para negro, se recorre a teorias, conhecimento jurídico para se confirmar que as cotas não são necessárias e até inconstitucional,
A lei de cotas e o estatuto racial são monstruosidades jurídicas que atropelam a Constituição
  
O discurso da igualdade é literal, e não nos direitos, pois se percebe-se claramente que nem todos são iguais, mas que precisam ser incluídos na sociedade.
 Enfim no discurso da mídia sobre as cotas para negro nas universidades fica implícito a:
        Superioridade branca;
         Negro fadado ao fracasso;
        Traços discriminatórios contra o negro;
        Perpetuação da classe branca;
        Objetivo polemizar-contra X a favor- só se mostra as pessoas que são contra;
        Inconstitucional;
        Não é necessário;
        Privilegia o negro, favorece sem méritos;
        Retrocesso;
        É mostrada sob a Ideologia dominante;
        Inferioriza o negro;
        Não considera o processo histórico;
        Não se considera a estrutura da atual sociedade;

"A idéia da existência de uma democracia racial é refutada a partir da utilização do adjetivo falsa que desmistifica a idéia tão propagada por algum tempo, mas colocada em prova neste momento, de que todos são iguais. Isso permite, novamente, agora com um discurso de defesa, a utilização do verbo tentar, como algo ainda em processo e ainda não efetivada, no caso a noção de igualdade, que refletida ideologicamente nos discursos que veiculam posições contra a adoção de políticas de cotas no processo de construção de identidades sociais do negro, em que há discursividades que procuram, ao invés de abolir, dissimular as desigualdades sociais." ( SERAFIM, 2005)

 
COSTA, Emília Viotti da. Da Senzala à colônia. São Paulo: Difel, 1980.
SKIDMORE, Thomas E. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz E Terra, 1989.
SERAFIM, C. E. R. (Discente-Autor /Mest.Acadêmico), 2005. Interdiscurso e produção identitária: as cotas paranegros no discurso midiático.; Congresso Internacional Cotidiano: Diálogos sobre Diálogos.: Anais do Congresso Internacional Cotidiano: Diálogos sobre Diálogos., 1, 1, ISBN: Português, Impresso.
VEJA on line, nº 2011, 6 de junho de 2007. Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 05/05/2010.
 Revista Época no. 1522 http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca acesso 18/03/2010 .



Um comentário:

  1. O seu blog como sempre é show de bola!

    Meu blog está concorrendo ao prêmio TopBlog 2010. Conto com o seu voto no link abaixo!

    http://www.topblog.com.br/2010/index.php?pg=busca&c_b=116942

    Abraços,

    Prof. Adinalzir Pereira
    http://saibahistoria.blogspot.com/

    ResponderExcluir